RELACIONADOS



categorias

2 de novembro de 2017

Só por hoje, até o fim desse texto



Ontem, naquela festa, vários caras me olharam e disseram “que mulher bonita”, vários deles chegaram em mim com aquele papinho tosco, um cara assobiou, um amigo pegou na minha mão e me fez girar na ponta dos pés. Foram vários, mas nenhum deles tinha seu cheiro, seu toque, seu nome... nenhum deles era você. Eu até tentei, não foi mesmo? Aposto que você nem percebeu as ligações no seu celular quando chegou bêbado em casa.

Um daqueles caras sentou e conversou comigo, me fez rir um pouco, me elogiou e depois disse que não é bonito ver uma mulher fumando, mal sabe ele - e todos que também pensam assim - o quão isso não importa. As estrelas me olhavam, eu suspirava fundo, tentando esquecer que eu havia tentado mais um vez. No fim da noite, eu estava partida em mil pedacinhos. Ah, não, para, nem eram tantos pedacinhos assim, eu estava... amm, baqueada, tentando conter as lágrimas a cada tragada do cigarro.

Um amigo sentou do meu lado, me ouviu e se ofereceu pra me acompanhar até em casa, e você nem sabe disso, nem de tantas outras coisas, e vai continuar assim por um bom tempo – se não pra sempre. Porque eu sinto sua falta e ainda te amo, mas é até eu conseguir força suficiente para deixar essa frase inacabada para trás porque, na escola, eu aprendi que uma oração só é oração se for coesa e tiver um ponto final (ou continuativo), e na vida real eu aprendi que um amor só é amor quando você o oferece para alguém, e principalmente quando é recíproco.

E é por isso que eu te amo, mas é só até esse cigarro acabar e o vídeo Ride da Lana Del Rey chegar ao fim, é só até meu corpo esquecer da sensação do teu toque, e, droga, faz muito tempo que não sinto seus braços ao redor da minha cintura. É só até eu esquecer daquele abraço que eu te pedi, e embora a distância tenha impedido o tato, senti como se você estivesse me abraçando bem forte, naquele colchão de solteiro, e você me deixava aninhar minha dor a tua compreensão.


É até eu esquecer dos anos que se passaram e das noites que eu imaginei que iria morrer de tanta saudade que sentia, mas, olha só, tô vivinha. É até eu apagar nossas lembranças e excluir nossas conversas anexadas no email. Até eu esquecer teus olhos castanhos e como você encarava o telhado do teu quarto como se lesse algum livro genuíno. É até eu esquecer do gosto dos teus lábios e essa vontade de ligar pra você passar.

É até eu me recompor e ir me abrigar por aí, em braços que não são os seus, em mãos que não tem o teu toque, em um coração que me esquente, e em um amor que valha o poema, porque o que eu sentia por você acabou junto com esse texto.

Para meu futuro filho (leia aos dezessete)

By Reproduction


Dia desses eu estava na aula de história (que eu não gosto muito, mas acho importante estudar) discutindo política e comecei a me perguntar como minha mãe se sentia em relação as coisas que aconteciam quando ela era mais nova, e eu pensei em te escrever caso você se pergunte como eu me sinto e me posiciono sobre essas coisas.

As pessoas são egoístas, sabe, é uma pena. Tudo bem que há pessoas que pensam no próximo, que se importam com o bem-estar de outrem, antes de se enclausurar no próprio ego, mas a palavra “poder” mexe com a cabeça de qualquer um, porque nós sempre queremos muitas coisas, e na maioria das vezes não podemos obtê-las.

Você já ouviu falar da palavra corrupção, não é? Mas, ela não existe apenas nesses conceitos históricos e governamentais, a corrupção começa quando deixamos de agir conforme o que é certo, por interesse próprio, mas o que é “certo”?
Os conceitos de “certo” e “errado” variam muito, só que nós sempre sabemos quando fazemos algo errado, principalmente quando fere o bem de outra pessoa.

Pode parecer loucura o que te escrevo, mas você acredita na possibilidade de haver política com amor? Todas as coisas que fazemos só são bem-sucedidas se feitas com amor, não podemos esperar que vençamos algum problema ou que haja igualdade entre todas as pessoas, se continuarmos pensando apenas em nós mesmos.
Se você quer o melhor pra você, queira igualmente para as outras pessoas.

É isso, meu bem, espero que consiga me compreender e que quando tiveres a chance de ler esta carta, as pessoas tenham noção dessa verdade.
Leve em conta que sou jovem, e minhas ideias e opiniões podem não ser maduras e inteligentes o bastante, e você tem o direito de pensar e agir conforme o que acredita, mas nunca perca sua essência: você vem do amor, preserve-se nele.

Amo você, abraço.

16 de setembro de 2017

Do "eu te amo" ao "..."

Via Lindsay Woods.

Oi, tudo bem? Prazer, meu nome é ana. Eu gosto de beijos intensos e abraços apertados. Você pode chegar um pouco mais perto? Isso, assim, que beijo gostoso, mas qual é, você pode fazer melhor. 

Oi, amor, bom dia, dormiu bem? Estou com saudade, pode me ligar? Quero ouvir sua voz, estou precisando tanto do seu carinho. 

Mas, por que você tem que ser assim? Você nunca me entende! Você nunca está aqui por mim, nunca faz nada por nós dois, eu nunca tenho o suficiente. Preciso que você faça algo por nós, eu sinto que estou amando por nós dois, parece que estou subindo uma enorme escada, tentando carregar você nos meus braços.
Mas, eu não aguento sozinha. 

Bom dia, pedro, como você está? Desculpa se, às vezes, sou cruel com você, mas eu estou tão machucada, precisando que você faça alguma coisa pra me ajudar, nos ajudar. 

Oi, amor, como está? Dormiu bem? Sonhei com você essa noite, estou indo aí te ver. Beijos. Te amo. 

Oi, amor, como você... O que é isso? Quem é ela? Eu sabia!!! Sempre soube! Agora vai dizer que não tem nada a ver? Sério? Vai à merda!!!

Boa noite, tudo bem? Meu nome é ana. Prazer te conhecer, fábio, você tem um sorriso lindo. 

Léo, bom dia, tudo bem? Está em casa? Tô indo aí. 

Estava sentindo sua falta... Do seu cheiro, do seu beijo. Espera um pouco, meu telefone tá tocando:
Oi, pedro, o que foi? Não.  Estou ocupada. Não quero falar com você, eu já vi o suficiente. 

Léo, preciso de um daqueles tratos, vem aqui?!!

Ah, pedro, AGORA você me ama? Depois do que você fez? Vá dá amor praquela puta sem cliente! Afinal, ela sempre esteve pronta pra você, doidinha pra lhe dar. 

Mãe, eu não aguento mais. Eu gosto dele, mas ele me machucou demais! Pois é, ele tá merecendo que eu faça dele o pior idiota dessa cidade, mas eu não consigo. Sou boa demais pra fazer qualquer coisa, mas eu não...

Porra, pedro!! O que você quer? Ama o caralho! Se amasse não teria ido atrás de colo de puta! Eu tinha te avisado. Eu avisei. E quer saber, eu te amo muito, mas eu quero que você se arrombe! Foda-se!!!

- texto escrito para o Projeto 16 on 16, o tema desse mês é "a fluidez dos relacionamentos atuais". Leia os demais posts em: