RELACIONADOS



categorias

15 de maio de 2016

Não é ficção, rapaz

@SelenaGomez

Você pode ler ouvindo 5H- Write On Me

Estou te devendo duas cartas, eu sei. Acho que essa aqui é o bastante para esclarecer umas coisas. Talvez ajude, talvez não, mas eu preciso te falar.

Primeiro, chega de fingir que é tudo ficção, não é. É bem real.
Segundo, se você quer mesmo continuar lendo este texto, esteja ciente que é bem provável que eu te peça pra jogar tudo pro alto e vir ficar comigo (e com Ele também, afinal ninguém se afasta Dele ao viver um amor, afinal, “não é bom que o homem fique só”), é o que meu coração quer, mas tem a razão, não é mesmo? A razão sempre dona de tudo, impossibilita, procrastina, mas eu sempre fui da emoção, dos meus anseios, sempre fui a garota que segue o coração, mesmo estando cheia de dúvidas.
Mas, se formos analisar ao pé da Letra, já é errado (se é mesmo errado) só de pensar, de omitir. Sentimentos são inevitáveis, e eu quero pedir desculpa para as partes afetadas, porque eu penso sim, sinto sim, e não vou omitir.

Eu já disse que te amo, não é? Uma única vez, até coloquei um "você é um bom amigo" pra deixar no ar, com sentido duplo, e eu queria colocar uns tracinhos pra deixar subentendido e ver se tu decifra, mas, ó, eu te amo, como um amigo, porque isso é tudo que és, mas eu queria que fosse bem mais, e eu sinto sua falta, e isso não é tudo.
Sonhei com você dia desses, acordei atordoada, quase puxando os cabelos, porque eu tento tanto evitar, eu tento tanto não sentir isso por você. Eu até gritei alto, olhando pro Mar, pra ver se as ondas levavam esse sentimento embora de mim, mas não deu muito certo. Então, eu decidi que precisava escrever novamente, pra ver se as palavras faziam esse anseio diminuir (só pra você saber, não tá funcionando também).

É injusto piorar a tua luta, que já é abstrata, mas eu preciso te falar. Mesmo. Eu tenho essa mania de bombardear as pessoas com meus sentimentos, minha intensidade e personalidade forte-doce de drama queen, eu sei. É que eu não gosto dos sentimentos calados, reprimidos... eu já te disse isso.

Eu já lotei folhas com frases aleatórias, já enchi de poesia uma realidade injusta, e já preenchi uma bela poesia com essa realidade injusta. Porque é muito triste sentir algo tão puro, longe desses gritos enlouquecidos, bem distante dos desejos carnais (o desejo carnal existe, mas é muito mais que isso, sabe, está em última instância), mas não adianta isso tudo se você nunca souber, e eu quero que você saiba, principalmente, porque é um grande amigo e a gente pode se afastar por causa disso, ou a gente pode virar big-amigos que se namoram, noivam, casam... Se amam, isso, no sentido puro da palavra.

A gente pode esquecer isso e perceber que era só mais um teste.
A gente pode esquecer isso e se arrepender depois.
A gente pode viver isso, e não dar certo.
A gente pode viver isso, e dar muito certo.

Seria uma grande loucura pedir pra cê largar tudo e vir ficar comigo, e tentar dar certo? A gente pode fingir que somos as únicas pessoas do mundo, você seria meu Adão e eu seria sua Eva.
A gente poderia dar certo. Muito certo, rapaz. Uma pena que eu nunca vá te contar isso, uma pomba porque eu não vou te entregar esta carta, uma ninhada inteira porque eu te amo, e a gente não pode ficar junto.


P.S.: Odeio essas histórias de amor avassaladoras e impossíveis, mas elas são tão lindas, me faz pensar como o amor pode ser tão glorioso e doloroso ao mesmo tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário