RELACIONADOS



categorias

6 de agosto de 2016

Alma de camaleão: Black and White




Dia desses estava no curso de oral e escrita, e o tema do dia era “cores” falamos sobre as quentes e as frias, suas características e possíveis significados, percebi que o preto está sempre associado a dor, ao luto, ao pranto, a ausência de algo enquanto o branco vem sempre como significância de paz, tranquilidade.

Pra mim, o preto serve para intensificar algo, seja lá o que for. Uma pessoa que usa muitas roupas pretas ou adora como o preto acentua no branco é uma pessoa intensa com alma colorida, enquanto o branco serve para equalizar: quando fazemos uma mistura de qualquer cor com a branca acontece o que? Enfraquece, muda, transforma. Algumas pessoas são assim se misturadas com outras pode ajudar a transformar, ou apenas enfraquecer, e não só de forma boa, apagar mesmo.

Isso é o que o mundo todo acha, e eu acredito que as coisas – não só as cores – a nossa volta tem um significado singular para cada pessoa, exatamente como as pessoas: Clara, pra mim, pode significar um sapato que embora fique bonito, incomoda às vezes, enquanto pra Paulo ela pode significar só mais uma pessoa tentando sugar felicidade das pessoas – e dane-se o que eu e Paulo achamos, Clara vai continuar sendo um sapato com noção de si mesma. Ninguém nunca pode interferir no que o outro é e acredita.




Vale ressaltar que essa é a minha percepção, é como eu vejo e a verdade que acredito. Pode ser diferente do que você acha sim, ok? As coisas que digo ou acredito não são imutáveis, pelo contrário: todos os dias eu acredito, acrescento ou repenso algo de forma diferente.

Sou muito flexível, tenho alma de camaleão e acredito que ela pode ser desenhada em preto e branco – alguém já tentou desenhar uma alma? Ao mesmo tempo que intensifico, eu mudo, transformo, enfraqueço.
Viver comigo mesma é nunca saber o que pode acontecer, eu sou um completo mistério, é como se jogar de um penhasco com os olhos vendados sem saber se sobreviverá. E eu já me machuquei várias vezes... Várias vezes. Mas, vejam só, se não tivesse caído, me machucado, sobrevivido, não teria aprendido isso.


Eu sou muito mais que preto e branco: sou a mistura dos dois. E somente você escolhe se quer ou não se jogar nesse penhasco comigo, cair, aprender, se machucar, mas acima de tudo, aprender como amar (e eu ainda sei tão pouco sobre o amor).


Nenhum comentário:

Postar um comentário